Conheça 3 vilões do prazer sexual masculino

Ter uma vida sexual saudável não é um privilégio de todos os homens. Algumas condições no dia a dia atrapalham o desempenho sexual e deixam a confiança do homem em xeque, prejudicando o relacionamento e a qualidade de vida do casal. Especialistas indicam quais são os três maiores vilões do sexo para os homens e quais são as soluções para ter uma vida mais feliz no sexo.

Disfunção Erétil Os índices de disfunção erétil são altos no Brasil. Estudos indicam que cerca de 10 milhões de homens apresentam problemas de ereção e muitos vão se defrontar com a condição. Um dos tratamentos mais eficazes para a disfunção erétil grave, no entanto, é ainda bastante desconhecido entre os brasileiros.

A prótese peniana é a terceira opção de tratamento para disfunção erétil, indicada quando o homem não responde mais ao tratamento medicamentoso e às injeções intracavernosas. Ela é um implante que substitui o processo natural de ereção do homem. As versões mais modernas da prótese peniana trazem antibióticos contidos no implante, para minimizar o risco de infecção.

Crescimento da próstata A hiperplasia benigna é a doença mais comum da próstata e atinge cerca de 80% dos homens com mais de 50 anos, aproximadamente 14 milhões de brasileiros. Trata-se de um crescimento anormal da próstata, que comprime a bexiga e obstrui parcial ou totalmente a uretra, prejudicando o fluxo da urina. É uma doença silenciosa, que causa vontade constante de urinar e pode provocar, em casos mais raros, infecção urinária e insuficiência renal. Ter uma vida sexual saudável também é impossível com o agravamento da doença. A doença acaba com a qualidade de vida do homem, que não consegue viajar, trabalhar, dormir e ter uma vida normal. Atualmente, é possível tratar a doença de forma minimamente invasiva, utilizando laser para diminuir o tamanho da próstata. Denominado GreenLight Laser Therapy, o procedimento é mais rápido e apresenta menos sangramento e riscos ao paciente, reduzindo o tempo de recuperação e internação quando comparado à cirurgia tradicional.

Câncer de Próstata No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens, atrás apenas do câncer de pele não-melanoma. Em valores absolutos, é o sexto tipo mais comum no mundo e o mais prevalente em homens, representando cerca de 10% do total de cânceres. Seu tratamento – a prostatectomia radical – é bastante conhecida no país, mas a solução dos efeitos colaterais da retirada da próstata – como a incontinência urinária – ainda precisa ser mais bem esclarecidos à população.

Estima-se que 4% dos homens que retiraram a próstata vão apresentar incontinência urinária de forma crônica, quando o esfíncter perde sua capacidade de reter a urina. Estudos mostram que a incontinência urinária é uma das condições mais degradantes para o homem – até mais que a disfunção erétil – já que dificulta a vida sexual e prejudica a convivência social. Além do medo de deixar a urina escapar no parceiro ou de expor o uso de fraldas, o odor da urina torna algumas pessoas constrangidas em manter uma vida sexual ativa.

A incontinência urinária não é normal em nenhuma idade e a pessoa deve buscar ajuda médica porque há uma série de tratamentos disponíveis. Já está disponível nos planos de saúde o esfíncter urinário artificial – uma prótese que substitui o mecanismo natural de continência e é considerado o padrão ouro da medicina para esta condição.