Estenose da uretra na mulher

Esteno da uretra na mulher - Gustavo Wanderley

É uma condição onde tem-se uma diminuição do fluxo urinário ocasionado pelo estreitamento do canal uretral. Trata-se de uma patologia rara nas mulheres quando comparada aos homens e com pouca casuística publicada em literatura especializada.

As pacientes geralmente relatam histórico de infecções urinárias de repetições além de jato urinário sem força (fraco), longo tempo para urinar e sensação que não esvaziam a bexiga completamente. Segundo Dr. Gustavo Wanderley, membro da Sociedade Brasileira de Urologia e Membro da GURS (Sociedade de Cirurgiões Reconstrutores do Trato Gênito-Urinário) ao chegar ao Urologista essas pacientes já experimentaram uma sequência enorme de visitas a outros médicos e urgências além de terem sido submetidas a uma infinidade de tratamentos muitas vezes sem sucesso.

A causa desse estreitamento muitas vezes é incerto e pode ser atribuído a causas infecciosas e/ou traumáticas. Uso de sondas, lesão pós parto laborioso ou lesões secundárias a algum tratamento cirúrgico podem ser causas de estenose uretral na mulher.

O diagnóstico é feito com anamnese e exame físico podendo ser complementado com exames de Estudo Urodinâmico, USG Transvaginal e cistoscopia com aparelho de fino calibre quando possível.

O tratamento inicial pode ser feito com dilatação da uretra porém com alto índice de recidiva. Nos casos complexos onde já houve falha de tratamentos anteriores a opção é a uretroplastia. De acordo com o Urologista Dr. Gustavo Wanderley existem diversas técnicas e acessos cirúrgicos, tendo-se sempre a opção da utilização de retalhos e/ou enxertos. Os enxertos podem ser de mucosa da própria vagina ou mucosa da boca. Os retalhos podem ser realizados com tecidos dos lábios vaginais, da vagina ou da bexiga.  Os resultados costumam ser bons e com níveis aceitáveis de continência urinária dependendo da técnica utilizada.