Featured Image

Incontinência Urinária Masculina

A Incontinência Urinária (IU) é a perda involuntária de urina. A Incontinência Urinária frequentemente atinge mais mulheres, porém os homens precisam ficar atentos.  Trata-se de uma condição que afeta drasticamente a qualidade de vida, comprometendo o bem-estar físico, emocional, psicológico e social dos portadores desta condição.

.O diagnóstico da Incontinência Urinária passa por diversos exames e variam desde simples avaliações laboratoriais da urina (parcial de urina e urocultura) até testes mais sofisticados, como o estudo urodinâmico.

O Urologista Gustavo Wanderley, do Centro de Urologia e Cirurgia Reconstrutora, diz que a perda involuntária de urina não é normal em nenhuma idade e nem é um problema exclusivo do envelhecimento, podendo ocorrer em pessoas jovens e de meia-idade também.
No individuo normal existe uma coordenação entre a bexiga e o esfíncter (músculo que funciona como uma válvula que fecha a uretra impedindo a saída da urina). A maioria das pessoas possui um controle sobre esse mecanismo, permitindo o enchimento e esvaziamento da bexiga. Durante a fase de enchimento, a bexiga está relaxada e o esfíncter contraído. “Na fase de esvaziamento é necessária uma perfeita coordenação entre a contração do músculo da bexiga e o relaxamento do esfíncter. A Incontinência Urinária acontece justamente quando ocorre uma falha nesse mecanismo” explica Gustavo Wanderley.

Existem inúmeras causas de Incontinência Urinária masculina. É de suma importância a identificação da origem para que o urologista possa instituir o tratamento adequado. Uma das principais causas de perda de urina no homem é aquela que pode acontecer após cirurgia da próstata, principalmente após cirurgia para tratamento do câncer da próstatico. Durante estas cirurgias pode haver acometimento do mecanismo esfincteriano podendo levar a perdas urinárias.
De acordo com Gustavo Wanderley aproximadamente 1% dos pacientes submetidos à ressecção transuretral da próstata podem apresentar algum grau de incontinência urinária após a cirurgia. Nos pacientes submetidos à prostatectomia radical (remoção completa da próstata) esta complicação pode ocorrer entre 2% a 11% dos casos.
A perda de urina pós operatória pode ser transitória, porém quando persistente, deve ser melhor investigada e tratada. O tratamento pode consistir em uso de medicações, fisioterapia para reabilitação da musculatura pélvica ou no tratamento cirúrgico.
Como forma de tratamento cirúrgico para os casos de Incontinência Urinária leve ou no máximo moderada temos como opção o implante do SLING masculino. Trata-se da colocação de uma faixa de malha sintética com intuito de realizar uma compressão local na uretra parando a perda de urina.

Porém a opção padrão ouro para tratamento da IU masculina por lesão do esfíncter é o implante de um esfíncter urinário artificial. Trata-se de um mecanismo em que o próprio paciente tem o controle da hora de urinar acionando um pequena válvula que fica implantada internamente no saco escrotal. A satisfação dos pacientes com o implante chega a quase 90 %.

 

Incontinencia-urinaria

Foto Ilustrativa Esfincter Artificial

Segundo Dr Gustavo Wanderley, é importante que antes da cirurgia para colocação do esfíncter artificial, sejam realizadas todas as etapas para um diagnóstico perfeito, excluindo e tratando condições que podem estar associadas a IU. É importante que antes da cirurgia e após ela que o paciente seja treinado sobre como deve ser o funcionamento do esfíncter e como o mesmo deverá proceder caso ocorram problemas de funcionamento do dispositivo.

Sintomas da incontinência urinária
. Gotas de urina que ficam na cueca depois de urinar;
. Perda de urina frequente e irregular;
. Perda de urina em momentos de esforço, como rir, tossir ou espirrar;
. Vontade incontrolável de fazer urinar.

Por que a incontinência é mais comum nos idosos? Quais são os fatores?
Muitas doenças ligadas à incontinência são mais comuns com o avanço da idade: doenças neurológicas (derrame, doença de Parkinson, Alzheimer), doenças metabólicas (diabetes), doenças da próstata e da bexiga. O uso de medicações pode agravar o problema, como, por exemplo, os diuréticos, usados para hipertensão arterial e problemas cardíacos. Algumas cirurgias realizadas na próstata e na bexiga também podem gerar a incontinência. Em muitos casos, existem causas associadas levando à incontinência.
Dr. Gustavo Wanderley é Membro titular da SBU (Sociedade Brasileira de Urologia) e da GURS (Genitourinary Reconstructive Surgeons- Sociedade de Cirurgiões Reconstrutores do trato Gênito Urinário)