Uretroplastia e Estenose da uretra

Trata-se de um procedimento cirúrgico urológico que tem por objetivo tratar problemas da uretra como a estenose ou estreitamento.  O tratamento de tais patologias vão desde simples procedimentos cirúrgicos chamados de uretrotomia interna até complexas cirurgias reconstrutoras da uretra – uretroplastias. O tratamento minimamente invasivo (uretrotomia interna) tem indicações em casos restritos, principalmente em pacientes com estenoses curtas e apenas em algumas localizações das uretra. Geralmente após a falha com a recorrência da estenose, indica-se um procedimento mais invasivo por via aberta que é a uretroplastia.

A uretroplastia vem sendo realizada há décadas e sua técnica vem também sendo modificada. Os resultados hoje já são bastante satisfatórios. Existem várias opções cirúrgicas e o urologista que é habituado a tratar estenose da uretra deve sempre ser treinado a usar várias dessas técnicas, pois não raro necessita-se da utilização de diferentes procedimentos numa mesma cirurgia. A uretroplastia pode ser feita com técnicas simples, onde se retira o segmento estreitado e área inflamada em volta e se une os dois cotos com fio de sutura por sobre um cateter. Em situações onde esta estenose seja mais longa ou quando a localização não permite, pode não ser possível a simples ressecção e sutura, sendo então necessárias outras técnicas. A utilização de mucosa da parte interna da bochecha (mucosa) é uma das técnicas utilizadas para “refazer” a uretra. Podem também ser utilizados outros tecidos, como retalhos da própria pela do pênis ou até tecidos de outras localizações usados como enxertos. Cirurgias em mais de um tempo cirúrgico e até desvios urinários podem ser utilizados. Já se estuda em alguns centros, o transplante de uretra, que seria a utilização de matrizes acelulares para substituição de tecidos uretrais.

Após a cirurgia o paciente permanece com uma sonda (cateter) inserido dentro da bexiga que serve para moldar a área operada até a completa cicatrização. O tempo de uso da sonda varia, porém a média é de 2-3 semanas. O seguimento deve ser em consultório e os resultados variam de caso a caso podendo chegar a 95-98% de bons resultados em pacientes selecionados. De acordo com o Urologista Gustavo Wanderley, a Urologia Reconstrutora vem ganhando mais ênfase no Brasil e também no exterior e centros de treinamento em Urologia já estão cada vez mais aptos ao tratamento destas patologias.